Polícia Ambiental encontra abatedouro clandestino em chácara de vereador

Fiscalização encontrou objetos utilizados na matança de gado e mais de 40 carcaças de animais em local impróprio e sem qualquer tipo de licença para a atividade

Policiais ambientais encontraram mais de 40 carcaças e vísceras de aninais expostas ao tempo CRÉDITO: Divulgação

Uma denúncia anônima levou a Polícia Ambiental na terça-feira (19) a um matadouro clandestino de gado localizado em uma chácara na área rural de Ribeirão Claro, que pertence ao vereador Carlos Roberto dos Reis (PSD). A propriedade fica em um assentamento no bairro do Sombreiro, onde os policiais encontraram inúmeras irregularidades e evidências sobre a prática ilegal da atividade.

A reportagem apurou que no local foi encontrada uma balança para pesagem de gado, marreta, ganchos, carretilha, serra elétrica e resíduos de animais (vísceras) com potencial de poluição sem qualquer tipo de licença. Também foi identificado lançamentos de resíduos (sólidos e líquidos), chorume gerado pelo abate bovino, próximo à cocheira dos animais e à residência da chácara.

Ainda próximo a uma Área de Preservação Ambiental, os policiais constataram o descarte de restos de ossadas de animais, totalizando 40 cabeças de gado.

A Polícia Ambiental informou que a vistoria foi acompanhada pela mulher do vereador, Luiza Cristina Ezaki dos Reis e por um advogado da família, e que o fato será informado ao Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e ao Ministério Público Estadual (MPPR) para as devidas providências. Uma equipe da Vigilância Sanitária também fiscalizou a propriedade e relatou as irregularidades.

Nesta quarta-feira (20), funcionários da Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar) estiveram no local e constataram as irregularidades. O órgão vai verificar as condições do gado encontrado no local.

O vereador Carlos Roberto dos Reis (PSD) estava em viagem durante a vistoria da Polícia Ambiental em sua propriedade. Procurado pela reportagem no início da noite desta quarta-feira (20) para comentar o assunto, ele disse desconhecer a denúncia e que até o momento não foi intimado pelos órgãos competentes para comentar o caso.